terça-feira, 15 de janeiro de 2013

O último serrano


O último serrano

                   Dedilhou a saideira. Ninguém ali naquela noite imaginaria que fora a última modinha de sua viola. Havia bebido algumas, é verdade, mas estava de carona - ainda bem. Foi deixado em casa, era para ser a hora de encerrar a noite - talvez pouco passava das duas da manhã; era hora de dormir, sim, menos para o Pedrinho Borguezan*.

                    Fez roncar sua moto e pegou a estrada. Tinha muita noite pela frente, ora essa! Pegou a estrada do seu fim. A poucos metros de sua casa, chocou-se com um ciclista, o capacete se desprendeu. Nunca ninguém mais ouvirá sua viola. Um violeiro saía da vida para virar lenda.


                     As coisas mudaram em Urubici. Ontem, uma lenda chamada Pedrinho Borguezan tocava simplesmente por prazer. De sua viola saíam velhas cantigas; das montanhas, soprava o vento gelado; das pessoas ao seu redor, causos, risos, calor.

                     As coisas mudaram em Urubici. O último genuíno serrano, agora lenda, não está mais aqui, partiu para outra dimensão, se tiver. Não se enganem, não é apenas mais um nativo que se apaga, é a última página de uma era que vai ficando para trás.

                     Os turistas - que sejam bem-vindos - trouxeram novas culturas de fazer negócios. O velho jeito serrano de tocar canções pelo simples amor à amizade e à musica deixou esta terra com a lenda que perdeu a vida naquele acidente.                      Você pode olhar as belezas de Urubici, mas antes adquira o ticket de acesso. É a nova maneira de fazer negócios. Verá a beleza natural - isso tem em abundância, ainda -, mas o espírito serrano - esse nunca esteve à venda - ficará apenas na memória de quem viveu o tempo de Pedrinho Borguezan.

                      A arte serrana de levar a vida juntou-se ao violeiro: virou lenda. Nenhuma beleza de Urubici deixará de ser explorada. O jeito de ser serrano ainda resistirá por algum tempo. Sentiremos saudades.

                       A alma serrana ficará vagando na geografia de Urubici. Os novos tempos estão aí: as belezas naturais são um mercado. O Pedrinho Borguezan foi o último serrano.


* Antonio Pedro Borguezan (1958-2012), Vila Santo Antonio, Urubici, SC. Profissão: músico, pintor nas horas vagas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário